Cascavel

Cascavel chega a mais de 2,4 mil casos de dengue e apela à população para eliminar criadouros

A Secretaria de Saúde tem intensificado as fiscalizações em campo e orientado a pop...

22 abr 20 - 14h56 Atualizado 22 abr 20 - 16h06 Redação NPR Online

A dengue é coisa séria e mata. Em Cascavel, duas pessoas já perderam a vida por conta do mosquito e há ainda mais um terceiro óbito sendo investigado. No entanto, apesar da gravidade da situação, os casos da doença continuam a aumentar exponencialmente no Município.

Diante dessa batalha, a Secretaria de Saúde tem intensificado as fiscalizações em campo e orientado a população a se mobilizar junto no combate ao vetor, uma vez que a dengue é uma responsabilidade de todos. Hoje (22), inclusive, os agentes realizaram uma ação no Cascavel Velho e no Faculdade, em locais com grande acúmulo de materiais que poderiam conter o mosquito. A ação contou com parceria da Guarda Municipal e do Território Cidadão.

Da semana passada para a atual, houve um aumento de 32% nos casos confirmados. De acordo com o novo Boletim Epidemiológico da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), referente ao período de julho de 2019 até esta quarta-feira (22), Cascavel chega ao total de 2.420 casos registrados da doença.

Além disso, os casos podem aumentar ainda mais, uma vez que 2.184 pessoas estão aguardando o exame. Outros 1.703 casos foram descartados. Ao todo, são mais de 6,3 mil notificações no Município. 

Os bairros com as condições mais críticas são os da Região Norte: Interlagos, Brasmadeira e Brasília, respectivamente, com 343 casos, 273 e 130.

Diante do cenário epidêmico, a diretora de Vigilância em Saúde, Beatriz Tambosi, reforça que as ações de vistoria estão sendo realizadas pelas agentes de Endemias, mas a comunidade também tem que tomar parte nessa guerra e se mobilizar. “É importante que a população colabore com as ações do Município. As visitas dos agentes estão acontecendo, mas é importante que o cidadão faça sua rotina semanal de inspeção. O agente de endemias passa uma vez a cada 60 dias, os outros 59 dias a responsabilidade é do morador de conferir todo e qualquer lugar que possa vir a se tornar um criadouro do mosquito da dengue”, pede.   

Os cidadãos também podem fazer denúncias caso se deparem com criadouros do mosquitos. O contato é pela Ouvidoria do Município no 156 ou pelo (45) 3902-1343. 

CALL CENTER – SINTOMAS DE DENGUE

Tem sintomas de dengue? Acione o Call Center 3096-9090 e digite a opção número 3. O ramal é destinado para orientações em relação aos sintomas da dengue. As queixas para a doença são: dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor nas articulações, febre, manchas e coceira na pele, náuseas e dor abdominal. Os casos são notificados e, se necessário, encaminhados a uma unidade de saúde.

Como posso ajudar?

Somente uma mobilização da comunidade é o que fará a diferença nessa guerra contra o mosquito. Não deixe acumular água parada, até mesmo água suja.

Dentre os locais que precisam ser vistoriados pela população estão: edícula, tonéis com captação de água da chuva, aquários sem bomba de oxigenação, pratos de vasos de plantas, bandejas das geladeiras, bebedouro de animais, tanque de roupas que ficam com água empossada no fundo, coletor de água da saída do ar-condicionado, lixeiro sem tampa e sem furo embaixo, piscinas de plástico, cisternas, caixas de gorduras e plantas aquáticas, pequenos objetos nos quintais; como tampas de garrafas, copos plásticos e brinquedos infantis. A destinação de pneus também é outro problema. A recomendação é deixá-los em uma área coberta ou então encaminhar para uma borracharia que se responsabilize. Até mesmo gotículas de água numa tampinha de plástico já são suficientes para se transformar no criadouro do mosquito.

Via: Portal do Município de Cascavel - Foto: Divulgação


Whatsapp NPR Online - Envie sugestões de Pautas, Fotos ou Videos, para o nosso WhatsApp que a nossa equipe irá atender você, ou entre em nosso grupo do WhatsApp e recebe as principais notícias em primeira mão: https://bit.ly/39HAJmd


Postagens Relacionadas
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.